Brasília tem sua primeira radionovela contando fatos importantes da cidade. Iniciativa faz parte de projeto em comemoração aos 61 anos da inauguração da capital federal e joga os holofotes da inovação novamente para o DF.

Com roteiro de Michelle Chiappa, os atores Bruno Estrela e Du Oliveira, e as atrizes Bia Nogueira e Luíse Nogueira contam o caso da menina Ana Lídia, um crime que chocou Brasília, uma ainda então novíssima capital federal, em 1973, e que permanece sem solução até os dias de hoje.

A iniciativa é uma parceria entre os projetos BSB 61 e Histórias de Brasília, realizada pela Lab Descompli.ca. São 10 episódios, que trazem capítulos independentes entre si e sem cumprir uma ordem cronológica.

Assim, o ouvinte será surpreendido com histórias antigas e contemporâneas que compõem o imaginário do brasiliense, como o crime da menina Ana Lídia e a Corrida de 1000 km.

BSB 61
O projeto comemora os 61 anos de Brasília com uma proposta ousada: retomar o poder de inovação da capital, tão presente na saga da construção. Depois de contar a história de 20 pioneiros empreendedores, no filme Brasília e seus pioneiros (2020), a Lab Descompli.ca reúne novos parceiros para criar um museu virtual, oferecer uma edição especial do Picnik no aniversário da cidade e trazer as principais autoridades nacionais e internacionais em inovação para um evento em outubro.

História de Brasília
O projeto Histórias de Brasília foi criado pelo publicitário João Carlos Amador em 2014, com o objetivo de contar curiosidades e fatos interessantes sobre a capital. A ideia foi tomando força e atualmente, já são mais de 119 mil seguidores no Facebook, mais de 72 mil no Instagram, além de três livros publicados e um programa de vídeos que já soma mais de 1 milhão de visualizações nas redes sociais. Além da internet, Histórias de Brasília tem uma coluna semanal na Rádio CBN e no Jornal de Brasília.

Serviço
Radionovela Histórias de Brasília
Disponível nas principais plataformas de streaming. Classificação indicativa livre.

Sobre os atores:
Bruno Estrela é fundador da Casa de Ferreiro Companhia de Teatro e responsável pelo núcleo de montagens da cia, tendo montado, nos últimos cinco anos, mais de 10 espetáculos com alunos e atores convidados conhecidos na cena local. Em sua intensa trajetória como ator nos últimos 15 anos, foi dirigido por nomes como Gê Martu, Áurea Liz e Hugo Rodas. Fez inúmeros curtas e longas, entres as quais se destacam as últimas experiências “Banalidades”, selecionado para mais de oitenta festivais de cinema pelo mundo e a participação no ainda inédito “O Pastor e o Guerrilheiro”, de Eduardo Belmonte. Além de dirigir e atuar dedica-se à escrita teatral, tendo um de seus textos inserido no processo de criação do novo trabalho do grupo Galpão, “Histórias de Confinamento”. Foi um dos pioneiros no processo de retomada do Teatro Oficina do Perdiz, palco histórico do teatro brasiliense.

Du Oliveira é ator e produtor cultural. Em 2010 ingressou nas artes cênicas na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes. Como ator já atuou em diversos espetáculos com diretores da cidade, entre eles Adriana Lodi , Áurea Liz e Hugo Rodas. Seu último espetáculo foi a participação em “Poema Bar”, com direção de Alexandre Borges, em 2020.

Luíse Nogueira tem 12 anos e é integrante da turma teen da Escola de Teatro Musical de Brasília (ETMB) desde agosto de 2015. Realizou diversos trabalhos acadêmicos e profissionais como a personagem Kate, em Annie O Musical, com direção de Miguel Falabella, no Teatro Santander em São Paulo/SP.

Bia Nogueira tem 12 anos e é integrante da turma teen da Escola de Teatro Musical de Brasília (ETMB) desde agosto de 2015. Realizou diversos trabalhos acadêmicos e profissionais como a personagem Joice, no longa nacional Rir Pra Não Chorar (Brasil, 2019), com direção de Cibele Amaral.

blog

Voto feminino: a importância de se votar em mulheres

25/02/2021

Voto feminino: a importância de se votar em mulheres

redes@descompli.ca |

+55 (61) 99870-1525 / 3686-1476

Fale Conosco